Untitled-2

Luiz Carlos Busato é arquiteto e urbanista e atual presidente do União Brasil no Rio Grande do Sul. Foi prefeito de Canoas, deputado federal por 3 mandatos e vereador. No Governo do Estado, foi secretário de Obras Públicas, Irrigação e Desenvolvimento Urbano e secretário de  Desenvolvimento Urbano e Metropolitano do Estado do Rio Grande do Sul.

Como homem público, destaca-se pelo perfil articulador e conciliador. Seus mandatos têm como característica o intenso trabalho em prol das comunidades e do desenvolvimento econômico. Entre os principais legados, destacam-se obras e ações que beneficiam diretamente as comunidades em áreas estratégicas — saúde, infraestrutura, educação e segurança. Valoriza o fortalecimento das prefeituras, por entender que o mais adequado é descentralizar recursos da União, fortalecendo Estados e municípios.

História

Nasceu em Caçador, Santa Catarina, em 6 de novembro de 1948. Ainda na infância, mudou-se para o Rio Grande do Sul com a família. Pouco tempo depois de se instalar na cidade de Canoas, a família Busato iniciou a implantação dos primeiros cinemas da cidade: Cine Teatro São Luiz, Cinema Niterói, Cinema Rio Branco, Cine Rex e Cinema Vitória.

Formado na primeira turma de arquitetura e urbanismo da Unisinos, em 1976, Busato foi funcionário público municipal durante dez anos. Antes de entrar para a vida pública, Busato fundou a empresa Busato & Lottici, responsável por diversos empreendimentos em Canoas e cidades da região.

E foi o conhecimento técnico — aliado à capacidade de gestão e à experiência como empreendedor na área da construção civil — que estimularam o seu ingresso em iniciativas de apoio às comunidades.

Carreira pública

Em 2000, Busato foi convidado a assumir como secretário municipal de Planejamento Urbano, em Canoas (RS). Durante quatro anos em que esteve à frente da pasta, implementou obras importantes para a cidade, como o Parque Eduardo Gomes, o fechamento da vala da Rua Irineu de Carvalho Braga, a construção do Largo da Avenida Inconfidência e a revitalização do Guajuviras, além de coordenar a regularização de diversos loteamentos.

Em 2004, Busato concorreu pela primeira vez a um cargo eletivo e obteve vitória. Foi eleito vereador com 3.139 votos.

Em 2006, assumiu um desafio ainda maior: trabalhar pelo Rio Grande do Sul no Congresso Nacional. O então vereador concorreu a deputado federal, elegendo-se com 44.472 votos. O destacado trabalho na Câmara dos Deputados refletiu nas urnas em 2010. Busato foi reeleito, com crescimento de quase 100% em relação à votação anterior: 85.832 votos.

Logo após as eleições, foi convidado para assumir a Secretaria de Obras Públicas, Irrigação e Desenvolvimento Urbano do Estado do Rio Grande do Sul e aceitou a missão, licenciando-se do mandato parlamentar.

A soma de uma década de um respeitado trabalho público fez com que Busato fosse um dos 10 candidatos à Câmara Federal mais votados do Estado, em 2014, com 130.807 votos. Também já figurou na lista dos parlamentares mais influentes do Congresso Nacional.

No Rio Grande do Sul, Luiz Carlos Busato foi o deputado federal que mais trouxe recursos para o Estado durante o exercício do mandato: R$ 1,5 bilhão.

Os investimentos ajudaram a concretizar obras importantes em áreas como Saúde, Educação e Infraestrutura.

Canoas

Em 2016, Busato venceu as eleições para a Prefeitura de Canoas após conquistar 51,25% dos votos.

Durante os seus quatro anos de gestão, Busato resolveu problemas históricos da cidade, como: fim aos alagamentos; redução da criminalidade; mais de 100 quilômetros de pavimentação; reforma e construção de escolas, ampliação de unidades básicas de saúde; ampla reforma na rede hospitalar. Também viabilizou a Usina de Reciclagem, a maior do Brasil.

Rio Grande do Sul

Em 2021, a convite do governador Eduardo Leite, Busato retornou ao Governo do Estado, desta vez para comandar a Secretaria de Articulação e Apoio aos Municípios (Saam), logo após transformada em Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Metropolitano. A pasta é responsável pelo atendimento direto aos municípios, com programas e ações voltadas a suprir demandas elencadas pelas próprias comunidades, como o programa Pavimenta.